segunda-feira, 15 de março de 2010

Vagner Love na Rocinha: tanto barulho por nada



Sábado à tarde, estava na redação quando chegou a informação de que o Fantástico, da TV Globo, iria, no dia seguinte, exibir um vídeo em que o jogador Vágner Love, do Flamengo, aparecia entregando uma camisa do time ao traficante Nem, chefe do tráfico na Rocinha.

Mais tarde, outro colega liga dizendo que seria uma foto em que o atacante apareceria segurando uma arma, possivelmente um fuzil. Domingo, finalmente, todos puderam ver as imagens e perceberam que nada do que se cogitava era verdade. O vídeo mostrava Love chegando a um baile na favela, acompanhado por traficantes armados. Depois disso, a polícia do Rio informou que instaurou inquérito para acompanhar o caso.

Na imagem, de péssima qualidade, diga-se de passagem, não é possível sequer identificar Vágner Love com exatidão. Mas nem foi necessário periciar o material, já que o atacante admitiu ter estado na Rocinha para comemorar uma vitória do Flamengo. A declaração de Love, de que pra ele a presença de traficantes armados é algo normal, é tão sincera que enfraquece a reportagem. O jogador diz que frequenta bailes de favela, que tem amigos em favelas, que perdeu outros para o crime, mas que nunca se envolveu. Qualquer policial sabe que a declaração de Love é correta, mas quiseram dar uma resposta à TV Globo.

Quem viu, percebeu que a reportagem enveredou mais para o lado do poderio bélico da quadrilha da Rocinha e que a presença de Vágner Love nada tem de relevante. Se a polícia vai chamar o jogador para prestar depoimento, terá também que identificar todos os frequentadores do baile e chamá-los a depor. Afinal, faziam o mesmo que Love: estavam num baile na Rocinha com a presença de traficantes.

Digo mais: a polícia terá que chamar todos os cantores e artistas de funk que fazem shows em favela para prestar depoimento, porque em todos esses bailes é certa a presença de traficantes. Não defendo Vágner Love, mas me incomodo com a hipocrisia em casos do tipo. Se o cara aparecesse armado, usando drogas...

Vídeo oferecido a Record por R$ 3 mil
Esse vídeo que a Globo exibiu do jogador na Rocinha foi oferecido também na TV Record. Dizem por lá que o cinegrafista amador cobrou R$ 3 mil pelas imagens. Só não sabemos se a Record não quis o vídeo ou se a Globo ofereceu mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário