terça-feira, 22 de dezembro de 2009

10 mandamentos para o jornalismo

Muita gente acha que o trabalho de jornalista é um grande barato, que não há rotina e que todos recebem salários compatíveis com Willian Bonner e Fátima Bernardes. A realidade, claro, é muito diferente e, na maioria das vezes, você é obrigado a fazer matérias chatíssimas, cumprir pedidos sem noção da chefia, entre outras coisas.

É por isso que o Temos Isso elaborou um decálogo, com itens que a grande maioria dos repórteres gostaria de exterminar de sua labuta diária para ter dias de trabalho um pouco mais tranquilos. Confira.

1- Não fazer Suíte
Deveria ser proibida. Exceto se o assunto em pauta realmente render para o dia seguinte. É muito comum num dia em que poucas coisas acontecem, a chefia pedir para você dar continuidade a uma pauta que já se esgotou.

2- Não ouvir Especialistas
Não tem coisa mais chata do que ouvir especialistas. Eles geralmente dizem o que o repórter e o leitor já sabem, mas, como tem rótulo de especialista, acaba ganhando espaço nas coberturas jornalísticas.

3- Não fazer matérias de dramas familiares.
Em jornal, isso é muito chato. Na TV, ainda tem uma musiquinha de fundo, um clima...

4- Fim da exigência de personagens nas reportagens
Outra coisa que deveria ser abominada. A obrigatoriedade dos personagens. Eles devem constar nas matérias para ilustrá-las, mas há veículos que preenchem a maior parte do texto com relatos que nada acrescentam à reportagem.

5- Notas do Ancelmo Góis
O cara é fera, sem dúvida. Mas na maioria das vezes em que a chefia pede para os repórteres suitarem notas do Ancelmo, trata-se de uma grande furada. Raramente é o que parece...

6- Nada de matérias sobre treinamento de policiais
É uma grande chatice ver o pessoal do Bope descendo uma encosta de rapel, atirando, entre outras atividades que só interessam a eles e que nada mais são do que o trabalho dos caras. O adestramento de cães, por exemplo, é muito mais interessante.

7- Não cobrir enterros
A única função da cobertura de enterros é garantir uma imagem para a reportagem, além de um drama familiar, quando alguém faz um desabafo. Claro que se for um caso de grande repercussão ou uma pessoa muito famosa, deve-se acompanhar, mas tem gente que cobre qualquer sepultamento.

8- Fim das cartas dos leitores
Leitor não escreve, lê.

9- Fim das 'peixadas'
Sem comentários

10- Fim das 'fontes cativas' que todo mundo tem
Tem colega que troca de horário para acompanhar uma operação só porque o delegado ou alguns policiais são sua fonte. Até faria algum sentido se a mesma equipe de policiais não fosse fonte de colegas em todos os veículos de comunicação da região.

2 comentários:

  1. Acabar com essas práticas poria fim a programas como o do Wagner Montes, essas "sopinhas de clichês"!!!!!

    Cá pra nós, as 'peixadas' deveriam ser exterminadas de todos os lugares. "Peixe", agente corta a cabeça e come o rabo!

    ResponderExcluir
  2. existem outros mandamentos

    11-Acabar com essa história de certas pessoas ou autoridades terem sempre destaque por mais que o assunto seja tão insignificante

    12-Acabar com essa história de determinados repórteres terem sempre preferência nas melhores matérias enquanto que outros, por muitas vezes mais competentes, pegarem só furadas. Já houve casos em que uma repórter estava de folga no final de semana mas foi chamada para trabalhar só porque havia uma viagem para cobrir a prisão de um chefão do tráfico

    13-matéria ridícula também é saber qual foi a refeição que um famoso ou celebridade teve quando este passou alguma noite na cadeia

    14-outra coisa muito chata é sempre mencionar que o presidente mandou uma mensagem de condolência para determinada família vitimada por algum tipo de tragédia

    ResponderExcluir