segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Resgate de presos revela fragilidade de carceragens da Polícia Civil

Crime ocorrido este fim de semana revelou a fragilidade das carceragens da Polícia Civil no estado. Trinta presos foram colocados em liberdade por oito homens armados de fuzis, que conheciam muito bem o funcionamento da unidade, atualmente com 150 presos, dos quais 110 ligados ao Comando Vermelho e outros 40 sem facção.

Em 20 minutos, os bandidos arrombaram cadeados de cinco celas. A maioria dos libertados é da Mangueira e Jacarezinho. Para a polícia, o principal alvo do resgate foi Cleverton Coelho Rezende, o Nei ou Paulista. Condenado a mais de 35 anos de prisão, ele é um dos maiores ‘matutos’ (fornecedores de drogas) de São Paulo e, em 2002, sequestrou a atriz Vanessa Bueno, na Barra da Tijuca.

Clerveton e mais três bandidos que estavam na cela 7 entraram nos carros levados pelo bando: Rodrigo Jaccoud, o Gordinho; Wellington Simões Silva, o Rato, ambos da Mangueira; e Robson Luiz dos Santos, o Robinho, do Morro Santo Amaro, no Catete, braço-direito de Marco Antonio Pereira Firmino da Silva, o My Thor, que está preso na Penitenciária Federal de Catanduvas (PR).

Os bandidos chegaram com roupas semelhantes às usadas por policiais civis e simularam estar com um preso, algemado, e forjaram documentos, o suficiente para render os dois agentes de plantão. Dois agentes, repito. Um deles teve até a arma roubada.

Mudança na condução dos presos
Nesta segunda, o chefe de polícia anunciou mudanças. Vai criar um grupo de 10 policiais, que serão os únicos autorizados a transportar presos para carceragens da Polinter. É sempre assim, precisa acontecer a merda para que providências sejam tomadas.

Policiais fizeram buscas na região (foto), mas apenas três presos foram recapturados e outros dois se entregaram

Um comentário:

  1. se essa fuga fosse real , não iria ter troca de tiros , policiais ou bandidos mortos?!
    essa é mais uma da grande policia civil do cabral.
    a policia do rio de janeiro não tem jeito mesmo.

    lamentavel

    ResponderExcluir