sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Polícia se apressa em descartar crime como causa para incêndio que destruiu três delegacias

Como repórter, já cobri algumas dezenas de incêndios pelo estado. E qualquer profissional que pergunta sobre as causas do incêndio às autoridades competentes ouve sempre a mesma coisa: "o laudo só vai sair dentro de 15 a 20 dias".

Digo isso porque fiquei impressionado com a rapidez da Polícia Civil em divulgar como curto-circuito a causa do fogo que destruiu parcialmente três delegacias especializadas nesta madrugada, em São Cristóvão. Assim, fica descartada a hipótese de incêndio criminoso e ninguém mais levanta a suspeita.

Não duvido que tenha sido um acidente, mas essa pressa em divulgar o resultado da perícia é, no mínimo, estranha. Outra coisa estranha foi o fato de policiais estarem fazendo um churrasco a 50 metros do local das chamas e não terem percebido a fumaça, seja pela visão ou pelo cheiro de fumaça.

2.000 mil inquéritos viraram cinza, mas a polícia informou que eram todos sem grande importância. É de se duvidar, ainda mais quando se trata de uma unidade que combate à pirataria no estado, crime que movimenta grandes somas em dinheiro.

'Churrasco e proibidão'
Mais uma coisa estranha: moradores da região disseram que os churrascos de policiais são comuns naquela unidade e que eles chegam a escutar CDs com funks do tipo proibidão, que fazem referência ao tráfico de drogas, fruto das apreensões da Delegacia de Repressão aos Crimes contra Propriedade Imaterial (DRCPIM).

Independetamente do que tenha ocorrido de fato, penso que em casos como esse a perícia deveria ser feita por órgão independente. Porque transparência é fundamental...

Nenhum comentário:

Postar um comentário