segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Jornal Nacional dá informações erradas sobre o tráfico no Rio

O maior jornal televisivo do país, que deve ter grandes produtores na retaguarda, parece não entender muito da geografia do tráfico no Rio de Janeiro. Nesta segunda-feira, o Jornal Nacional da TV Globo divulgou uma matéria dizendo que o Comando Vermelho atacou o morro dos Macacos por questões financeiras, já que perdeu dinheiro com a implantação de Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs) em favelas e precisava repôr os prejuízos com novas bocas de fumo.

Segundo o jornal, a facção perdeu cinco favelas com as UPPs (Cidade de Deus, Chapéu Mangueira, Babilônia, Dona Marta e Batan). O jornal não sabia, entretanto, que o Chapéu Mangueira e a Babilônia eram Terceiro Comando Puro (TCP) antes da pacificação. E que o Batan, em Realengo, era ocupada por uma milícia antes da instalação da UPP. CV mesmo era a Cidade de Deus e o Dona Marta. Aliás, continua sendo porque a venda de drogas ainda não parou nestas comunidades.

Talvez para o público em geral pouco importe qual a facção que controla as favelas porque bandido é bandido, independentemente de grupo. Mas fica aí o puxão de orelha para os colegas da toda-poderosa, que poderiam saber um pouco mais do assunto para não publicarem informação errada.

4 comentários:

  1. Será que foi apenas por desconhecer a geografia do tráfico ou para encaixar (intencionalmente ou não) o discurso do governo do estado de que a guerra foi uma "ação desesperada do tráfico" em decorrência de ações eficientes de pacificação?

    ResponderExcluir
  2. Faz sentido... mas de qualquer maneira é uma informação equivocada.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que também fiquei surpresa com a "lógica" mostrada pela TV Globo que, simplesmente, não tinha lógica alguma. Aliás, escrevi até um post no meu blog sobre a declaração do secretário. "Ação desesperada do tráfico"? Não tinha uma justificativa melhor? Lamentável.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. E no progama Zero-hora da Globonews passou a entrevista do secretário de segurança nacional, que por sinal e gaúcho igual ao nosso Beltrame e ví as besteiras que ele falou, o desconhecimento com o Rio de Janeiro. E o destaque que ele deu a UPP. Tirei duas conclusões:
    1- Ele e padrinho do Beltrame.
    2- Que a UPP vai eleger muita gente, do mesmo modo em que a Milicia elege.

    ResponderExcluir