sexta-feira, 29 de maio de 2009

Milícia desarticulada esta semana teria envolvimento com o tráfico e chefe seria resgatado de presídio

A milícia desarticulada esta quinta-feira pela Polícia Civil também teria envolvimento com o tráfico de drogas. Segundo os autos do processo 2008.082.001088-6, o chefe do grupo paramilitar, o ex-PM Fabrício Fernandes Mirra, atualmente preso, é acusado de ter matado um homem na cidade de Pinheiral (no interior do Rio) em fevereiro do ano passado.

A vítima foi agredida com coronhadas, pauladas na cabeça e chutes no corpo e na cabeça, que provocaram lesões que levaram a morte. O motivo do crime, de acordo com os autos, seria porque o homem venderia entorpecentes na região, em suposta concorrência com o chefão da milícia. Por conta disso, o crime de associação para o tráfico poderá ser incluído no processo.

Outra informação que consta no processo é de que o setor de inteligência da Polícia Militar descobriu um suposto plano para resgatar o líder desta milícia durante o Carnaval deste ano no Batalhão Especial Prisional, em Benfica. Por conta disso, a Justiça chegou a pedir para que ele fosse transferido para um presídio comum já que fora expulso dos quadros da PM. E de fato, Mirra está na penitenciária Lemos Brito, em Bangu.

3 comentários:

  1. tem que provar isso ai... e se for traficante que se foda mesmo , tem que morrer na porrada.

    ResponderExcluir
  2. Claro que todas as acusações precisam de provas, mas são informações que a polícia vem investigando sobre a milícia intitulada Águia de Mirra.

    ResponderExcluir
  3. investigação de policia no rio é mas armado que lona de circo.
    não existe investigação de verdade , apenas jogos de interesses.
    menos de 10% dos crimes são resolvidos de verdades.
    90% dos crimes não da em nada.

    ResponderExcluir