sexta-feira, 10 de abril de 2009

Sorria, você está sendo filmado!

Por Marcelo Bastos

De uns tempos pra cá, quando houve um boom nos investimentos em segurança privada e, sobretudo, quando passamos a viver numa espécie de Big Brother com câmeras espalhadas por toda a parte, o discurso policial ganhou mais uma frase e, conseqüentemente, o dos jornalistas. Podem reparar que em toda reportagem policial que o cenário não seja uma favela, delegados e inspetores de polícia civil sempre dizem: "vamos verificar se algum imóvel próximo possui circuito de câmeras que possa ter filmado a ação dos marginais".

Só não é sempre assim quando o próprio local onde ocorreu o crime possui sistema de câmeras: "Já requisitamos as imagens à empresa, que ficou de nos mandar até amanhã", dizem as autoridades.

Outra freqüente acontece quando há câmeras, mas que apenas filmam e não gravam. "Infelizmente, as câmeras não gravaram a ação, apenas filmaram".

Tem ainda uma outra vertente, que ocorre quando eles já têm as imagens, mas a qualidade não é boa. Veja só o discurso: "Já temos sim as imagens, mas a qualidade é muito ruim. Já enviamos aos peritos do ICCE (Instituto de Criminalística Carlos Éboli) para ver se eles conseguem melhorar".

Quem cobre polícia sabe que é assim que funciona. Aliás, esse negócio de câmera já virou febre até entre os repórteres também. Todos eles fazem a mesma pergunta, se havia câmeras, se gravaram alguma coisa, entre outras do gênero. Sabemos, afinal, que a chefia adora um videozinho para colocar na matéria e os leitores e telespectadores também. Se de fato o video mostrar alguma coisa, ótimo, mas, na maioria dos casos, as imagens revelam absolutamente nada ou muito pouco. Para TV é ótimo, mas os jornais e as rádios agora também podem colocar no site. Elas só não fazem mais sucesso do que as escutas telefônicas...

2 comentários:

  1. Se é para apelar a sistemas de câmeras particulares, por que não se discute a implementação de circuitos de vigilância públicos, ligados diretamente a batalhões e delegacias? Isso já acontece na Inglaterra, se não me engano. Como está, as autoridades ficam a depender da qualidade do serviço particular e da boa vontade. E corre-se o risco de não dar em nada. Outro dia, uma reportagem mostrou que ladrões de banco entraram numa agência e pintaram a lente de câmera com colorjet preto. Poucos reais anulando um equipamento que pode custar alguns milhares de dólares.

    ResponderExcluir
  2. Pô, cara, se nem o sistema de câmeras de Bangu 8 funcionava quando Batman fugiu... ele foi filmado pelo circuito da unidade ao lado. Sem dúvida seria um grande investimento já que a presença das câmeras poderia inibir de alguma forma a ação dos criminosos.

    ResponderExcluir