domingo, 12 de abril de 2009

Caso fuga de Batman: a verdade sobre a impunidade

Por Marcelo Bastos

No último dia 7, o RJ TV, da Rede Globo, produziu uma reportagem sobre a fuga de Batman, que ainda não foi esclarecida pela polícia (veja vídeo abaixo). O ex-PM Ricardo Teixeira Cruz, acusado de chefiar a milícia Liga da Justiça, que atua na Zona Oeste do Rio, fugiu pela porta da frente de Bangu 8 no dia 27 de outubro do ano passado, mais de cinco meses atrás.

A reportagem é boa, mas não revela os verdadeiros motivos pelo qual ninguém foi punido até hoje pela fuga do miliciano, com exceção de Luiz Henrique Ferreira Burgos, então diretor da unidade, que foi exonerado do cargo. As autoridades ouvidas na matéria limitam-se a dizer que vão prender Batman novamente. Acontece que um dos principais motivos pela falta de punição dos responsáveis é a demora do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro em tomar um decisão sobre o assunto.

Caso parado no MP
Eu explico: o inquérito da 34ª DP (Bangu) que investigou esse caso foi concluído ainda na primeira quinzena de novembro. No documento, o delegado Gilberto Dias, pede a prisão de seis agentes penitenciários que, segundo as investigações, colaboraram de formas diferentes para que a fuga pela porta da frente de uma unidade prisional fosse possível. Esse inquérito foi remetido ao MP, que até hoje nada fez. Não devolveu para a polícia judiciária realizar novas diligências; não arquivou; e não ofereceu a denúncia à Justiça para que a os acusados fossem presos de fato. Ou seja, o MP sentou em cima do caso, como se diz no popular.

Muitas pessoas não sabem, mas a 34ª DP (Bangu) instarou ainda outro inquérito para apurar caso e conseguiu identificar um dos homens que aparece nas imagens ao lado de Batman, se passando por agente penitenciário. Esse homem trabalhou para a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) de maneira temporária e conhecia a rotina da unidade. Ah, ele também teve a prisão pedida à Justiça e esse inquérito também foi enviado ao nosso Ministério Público, que não tomou nenhuma providência até o momento.

A promotora Valéria Videira, que está com o caso disse que não daria entrevista sobre o assunto, mas, pelo telefone de um delegado que atualmente está na 34ª DP, informou que o MP ainda não havia se manifestado pelo caso 'Fuga do Batman' porque ela ainda não havia se decidido sobre o caso. Isso, praticamente cinco meses após a conclusão do inquérito. Quanto ao delegado que está na unidade atualmente, também não quis falar sobre o tema. Nitidamente evitou falar para não ter problemas com a promotora que analisa vários inquéritos daquela delegacia de Polícia Civil e poderia assim prejudicar o seu trabalho.

Se a demora fosse na conclusão do inquérito, a polícia já tinha tomado porrada de todos os lados, mas como o problema está com o Ministério Público...

Seap também nada fez
Em tempo: nesse mesmo período a Seap ainda não concluiu a tal sindicância interna que investigaria o caso. Até hoje, ninguém foi punido por lá e fontes garantem que os agentes acusados continuam a trabalhar normalmente.

2 comentários:

  1. A pergunta é: a quem interessa que nada se resolva?

    ResponderExcluir
  2. ótima pergunta, até porque é inadmissível que um crime como esse continue impune, a depender da boa vontade do MP.

    ResponderExcluir