sexta-feira, 27 de março de 2009

Conversas com o Bartô (parte I)

Por Marcelo Bastos

Às vésperas do casamento, Maria do Socorro, de 38 anos, flagrou o marido, José da Silva, de 42, dentro de uma lupanar e decidiu pôr fim ao relacionamento, no fim da noite de ontem, em São Gonçalo. José, que estava na companhia de algumas mariposas, negou as acusações da mulher, mas se recusou a falar sobre o caso. O causídico contratado por ele afirmou, no entanto, que tudo não passou de um mal entendido.
Assim que foi localizado pela mulher enfurecida, José tentou fugir de Socorro, mas foi encontrado num valhacouto a poucos metros do local onde o casal mora. Ele foi agredido a golpes de vassoura e deu entrada num nosocômio da região, com vários hematomas. O caso foi registrado na delegacia do bairro.

Já sei, não entendeu nada? Certo. Afinal, assim como eu, você certamente é da era da internet, dos blogs e etc. O texto acima obviamente foi inventado por mim, assim como os nomes das pessoas, que são fictícios. Escrevi apenas para mostrar algumas palavras que há muito já não são usadas, mas que fizeram parte do nosso noticiário por muitos anos. A idéia me veio durante uma das maravilhosas conversas com Bartolomeu Brito, o repórter de polícia mais querido do Brasil, que tem apenas 50 anos de profissão. Segue a tradução:

Lupanar - Termas, casa de massagem, o popular puteiro.
Mariposas - moças que trabalham nesses estabelecimentos, as putas.
Causídico - o que 'assume' causas, o advogado.
Valhacouto - como os jornalistas mais velhos chamavam o esconderijo de bandidos, um abrigo.
Nosocômio - hospital (esse foi o mais fácil, fala a verdade)

2 comentários:

  1. Francisco Edson Alves30 de março de 2009 14:24

    Marcelão, só para lembrar outras palavras que não usamos mais e algumas pérolas. heheheh. Abraço do Chico Edson

    Esporte: "O zagueiro deu um passe de 100 jardas para o centefor (centroavante) abrir o marcador".
    Polícia: "O meliante (bandido) já está preso na viatura (que até bem pouco não se usava). Agora, será levado às barras da justiça".
    Polícia: Essa até o Brandão da Tupi ainda usa: "O bandido conseguiu fugir em desabalada carreira".
    Polícia: "Nosso nobre soldado logrou êxito e prendeu os dois meliantes, respondendo assim à injusta agressão sofrida pelos colegas"
    Saúde: "Esta nova terapia traz esperanças a todos aqueles que morrem de câncer a cada ano"
    Polícia: "O motorista ficou morto na estrada durante alguns instantes"
    Cidade: "Prefeito de interior vai dormir bem, e acorda morto"
    Economia: "O aumento do desemprego foi de 0% em novembro"
    Cidade/Trânsito: "O movimento, no momento, está parado"

    ResponderExcluir
  2. Booooa, Chicão! Algumas dessas expressões, como lograr êxito, meliante, injusta agressão, entre outras, ainda são muito usadas pela poliçada, principalmente pelos militares. Algumas das frases que vc colocou aí parecem até mentira, de tão engraçadas.
    Forte Abraço!

    ResponderExcluir