quarta-feira, 25 de março de 2009

Benicio Del Toro em: uma entrevista para esquecer

Por Marcelo Bastos

Como nesta sexta-feira estréia no Brasil o filme Che (cartaz na foto), mais um dedicado ao revolucionário Ernesto Guevara, achei oportuna a publicação de um e-mail que recebi sobre um entrevista com o ator Benicio del Toro, que interpreta Che no filme. Como o longa trata apenas do mito, e não do homem, responsável pela execução de centenas de pessoas e um verdadeiro fracasso como ministro de estado e presidente do Banco Central cubano, vale a pena dar uma conferida no vídeo que circula no You Tube há um tempinho... http://www.youtube.com/watch?v=IZGTV6FbBXM&eurl=http://www.coturnonoturno.blogspot.com/

Como a entrevista se dá em espanhol, segue abaixo uma espécie de descrição/tradução da conversa, que deixa o ator visivelmente constrangido.

Em entrevista à jornalista Marlen Gonzalez, Benicio del Toro gaguejou, ficou mudo
e, por fim, deve ter se arrependido amargamente de participar deste programa de TV.

A primeira pergunta: "Por que estrear um filme sobre Che Guevara numa cidade (Miami) onde vivem tantos cubanos vitimados por um sistema que ainda está implantado em Cuba? É uma provocação?"

Benicio gagueja.

E ela completa: "O filme traz uma imagem positiva do Che, e imagine que, se fosse sobre Hitler, estaria ofendendo aos judeus."

Ele diz que o Che não criou campos de concentração.

E ela: "Estamos falando sobre assassinos. Não é o mesmo crime assassinar uma pessoa, cem ou cem mil?" E acrescenta: "Você sabia que o Che, quando esteve encarregado da prisão de La Cabaña, mandou fuzilar pessoalmente mais de 400 pessoas?"

Benicio del Toro fala de pena de morte
e a jornalista contesta, já que foram execuções sumárias, sem julgamento.

O ator afirma então que eram terroristas ligados ao ex-ditador Batista.

Ela o contesta, dizendo que foram assassinados por suas opiniões contra o governo revolucionário, por suas consciências.

Ele fica muito desconfortável.

A jornalista indaga por que o filme não mostra os fuzilamentos, os disparos que o próprio Che deu, em execuções, a sangue frio.

O ator não sabe.

E, por fim, ela pergunta se Benicio conhece a seguinte declaração de Che Guevara: "A forma mais positiva e mais forte que há, à parte de toda ideologia, é um tiro em quem se deve dar em seu momento".

"Não me lembro, exatamente", responde ele.

E ela lhe presenteia com o livro "Guevara: Misionero de la Violencia", escrito por Pedro Corzo, historiador cubano e ex-preso político na ilha.

Ah, claro: a jornalista Marlen Gonzalez é de origem cubana.

Obs.: Não tive a intenção de ser contra ou a favor de Che com esta postagem, mas, como muitos adolescentes, cheguei a ter uma admiração injustificada pelo mito. Como, graças a Deus, o tempo passa, li pelo menos três bons livros sobre Guevara e pude compreender um pouco mais sobre o mito, o homem, o guerrilheiro e o político Ernesto Guevara de la Serna. A proposta aqui é que se olhe para um outro lado, desmistificado...

5 comentários:

  1. iSSO É MAIS UMA ARMAÇÃO DA DIREITA
    POIS ENQUANTO CUBA ERA UM PROSTÍBULO
    NORTE AMERICANO, NUNCA FALOU-SE NISSO.

    ResponderExcluir
  2. AO MENOS CHE LUTOU POR UMA AMERICA LIVRE, NÃO ESSA MESMICE QUE VIVEMOS HOJE, A MACDOLNADIZAÇÃO DAS MENTES.

    ResponderExcluir
  3. cada um tem o seu direito de expressar sua opinião, desde que seja IMPARCIAL E JUSTA.

    pq não transcreveram a entrevista toda?
    pra mim parece mais um discursinho pronto, com cara de interrogatório, e não de entrevista.

    querem chamar atenção, ou discutir política, se preparem para falar E OUVIR.

    ResponderExcluir
  4. Quantos japoneses os americanos mataram, mesmo?????? quantas famílias o CAPITALISMO destrói por DIA?????

    Ai, ai!!!

    ResponderExcluir
  5. Os americanos exterminam milhares de pessoas em todo o mundo , implantando um modo de vida voltado ao consumismo!! Estamos perdendo nossos filhos para a droga, para o vazio que esse modo americano de viver , que se disseminou pelo mundo todo... onde eles não conseguem implantar e fazer lavagem cerebral, eles combatem com invasões , mentiras, distorçoes de midia e até atentados terroristas duvidos.. Para mim, se tivessem havido mais Ches no mundo, nós não estariamos nesse ponto de vazio humano em que nos encontramos.. no próprio Brasil , aceitamos robalheiras , corrupçoes , que matam silenciosamente a dignidade , a vida, e a esperança do nosso povo... se houvesse um che aqui, fuzilando esses bandidos do colarinho branco, com certeza eu apoiaria...Pena que Benicio veio despreparado para responder suas perguntas...

    ResponderExcluir